“Porquanto, tendo conhecimento de Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças; antes, se tornaram nulos em seus próprios raciocínios, obscurecendo-se-lhes o coração insensato”

 

O verso 21 faz parte do parágrafo que inicia no verso 18. Lá o apóstolo Paulo apresenta um fato chocante, porém verdadeiro. Um fato que vai de encontro a muitas concepções que as pessoas tem a respeito de Deus. “A ira de Deus se revela do céu”. Deus está irado! E por que Deus está irado? Nos versos 19, 20 e 21 Paulo insisti que a humanidade tem o conhecimento da existência de Deus, mas preferem rejeitá-lO. A humanidade não pode alegar ignorância a respeito da existência de Deus. O apóstolo chega a afirmar no v. 20 que os homens são indesculpáveis.

No v. 21, Paulo reafirma que o mundo tem conhecimento de Deus, e, por isso, a situação da humanidade se torna miserável, pois, mesmo tendo o conhecimento de Deus, os homens preferiram não O glorificar, nem lhE deram graças. Em outras palavras, a humanidade sabe que Deus existe, sabe que Ele é digno de nosso louvor e gratidão. Porém, preferiram dar as costas para o Criador e Sustentador de todas as coisas. Rejeitaram, deliberadamente, o Senhor!

Como bem sabemos, rejeitar o Senhor sempre resultará em más consequências. No mesmo versículo, já conseguimos ver as consequências da rejeição. Ao invés de glorificar e dar graças a Deus, os homens se tornaram nulos em seus próprios raciocínios. O primeiro efeito da rejeição a Deus ocorre na mente. Os homens excluem Deus de suas vidas e começam a raciocinar sua própria existência, sem levar Deus em consideração, sem ter Deus como referência.

Em 1715, aproximadamente, surgiu um movimento na Europa, chamado Iluminismo, que defendia que a razão humana, tem as respostas para todos os problemas da humanidade. O Iluminismo, tira Deus de cena e coloca o homem como o centro de todas as coisas. Ele defendia que o progresso humano somente ocorreria com o abandono da fé. Assim, passaram a considerar a Bíblia como não sendo a fonte da verdade, mas apenas um livro de contos. Somente a razão humana é suficiente para encontrar todas as respostas que o indivíduo procura, pois, todas as respostas está dentro de você, diziam eles.

1º Problema que passaram a enfrentar: Se Deus não existe, como foi que tudo que veio a existir? Qual a origem do universo e da natureza? Quem eu sou? o que estou fazendo aqui? De onde vim? Para onde vou? Qual o sentido da existência?
O Evolucionismo, filho do Iluminismo, respondeu: “O universo e tudo o que nele há, veio a existência por conta própria, ele se auto-gerou a partir de uma grande explosão. E todas as espécies de vida que conhecemos hoje, se deu por um processo evolutivo de bilhões e bilhões de anos. Portanto, a nossa existência não tem um propósito inato, estamos aqui por um processo do acaso, não devemos nos preocupar com o transcendente, devemos sim, nos preocupar em preservar a ‘mãe natureza’ para as próximas gerações.”

E todos passaram a aplaudir… inclusive os cristãos.

2º Problema: Se Deus não existe, quem é o nosso sustentador? Aquele que há de suprir todas as nossas necessidades?
O Marxismo, filho do Iluminismo, respondeu: “Nosso sustentador será o Estado! Somente Ele há de suprir as necessidades de cada indivíduo, e, portanto, a sociedade dependerá do Estado para as suas necessidades básicas. Cada indivíduo tem a obrigação de dar os seus proventos para o Estado e este, de forma igualitária, sustentará cada um, de maneira que ninguém tenha uma porção maior do que o outro, a não ser o próprio Estado.”

E todos passaram a aplaudir… inclusive os cristãos.

3º Problema: Se Deus não existe, então, qual o referencial do certo e errado?
O Relativismo, filho do Iluminismo, respondeu: “O certo e errado depende de cada um. Não existe uma verdade absoluta, tudo depende do ponto de vista de cada individuo, e, este ponto de vista deve ser respeitado por todos, pois, o que pode ser considerado certo para você, pode ser considerado errado para outra pessoa e vice-versa. Ninguém tem o direito de recriminar ninguém, devemos respeitar os diversos pontos de vistas, pois, vivemos em uma sociedade pluralista, e portanto, devemos demonstrar empatia com todos.
A homossexualidade, por exemplo, também é uma expressão de amor, por isso, deve ser respeitada.
O adultério não deve ser visto com espanto, aliás, a palavra adultério é muito forte, é melhor considerar como um caso de amor, uma aventura de momento.
O ladrão não deve ser reprimido, ele é vítima de uma sociedade opressora.
O aborto tem que ser praticada, pois dá a mulher o direito de não gerar um feto indesejável.
A pedofilia deve ser vista como doença e não como crime.

Cada ponto de vista é verdadeiro dentro da visão de mundo da qual está inserida. Portanto, não deve ser reprimida, nem descriminada. Somente o cristianismo, pois defende uma visão de mundo ultrapassada e retrógrada que não evolui com o mundo.”

E todos passaram a aplaudir… inclusive os cristãos.

Assim, caminha a sociedade atual a passos largos rumo ao abismo de perversão cada vez mais profundo. O que eles, hoje, chamam de modernidade e evolução, Deus sempre chamou de depravação e degeneração. A nossa geração come frutos podres de pessoas que resolveram raciocinar a existência humana excluindo o verdadeiro referencial, Deus. Hoje, nos encontramos na situação que nos encontramos, tendo a plena certeza de que as coisas irão piorar. Porém, para aqueles que já decidiram confiar em Jesus Cristo como seu Salvador e Senhor, tem a plena convicção que Ele voltará para nos levar, antes da revelação do homem das trevas.