MACDONALD, George. A Chave Dourada. Trad. Letícia Campopiano. Içara/SC: Dracaena. 2012. 50 p.

George MacDonald nasceu em 10 de Dezembro de 1824 em Huntly, Escócia. Faleceu em 18 de Setembro de 1905 em Ashtead, Inglaterra. MacDonald foi escritor, poeta e pastor na Trinity Congregational Church, Inglaterra. Embora muito esquecido pelos leitores atuais, suas obras, especialmente seus romances de fantasias e contos de fadas, foram uma inspiração para muitos escritores notáveis, como G. K. Chesterton, J. R. R. Tolkien e Mark Twain. Ele foi amigo e mentor de Lewis Carroll e chegou a incentivá-lo a publicar Alice no País das Maravilhas. Outro autor que foi grandemente inspirado por ele foi C. S. Lewis, que por diversas vezes declarou publicamente ter grande inspiração por seu mestre para escrever livros como “As Crônicas de Nárnia”. Enfim, George MacDonald publicou dezenas de contos, que o tornaram conhecido e amado por crianças e adultos. Ele mesmo chegou a dizer certa vez: “Eu não escrevo livros infantis, mas escrevo para todas as crianças, sejam ela de 5, 50 ou 75 anos.”

A Chave Dourada é um dos trabalhos mais importantes do escritor George MacDonald. O livro trata de um conto de fadas, e quando se fala em conto de fadas, para certos grupos de leitores pode haver uma certa rejeição, mas nos de MacDonald primam ensinamentos cristãos, nesse livreto de 50 páginas apenas podemos conhecer o estilo literário do autor.

No presente livro é apresentado a aventura de dois adolescentes Trama e Musgoso que empreendem uma busca especial, achar a fechadura feita especificamente para a chave dourada que Musgoso encontra. No mundo onde os dois personagens estão inseridos é diferente do mundo que conhecemos; por exemplo, vários anos são necessários para completar eventos que levam apenas minutos. Durante a busca os dois adolescentes se separam (creio que o leitor saberá identificar a causa da separação), Trama encontra vários guias que a dirigem através de uma sucessão de passagens rochosas, incluindo uma que leva às entranhas da terra. No fim, como todo bom conto de fadas, eles são bem sucedidos em sua busca.

Neste pequeno livro, MacDonald concebe uma aventura que nos proporciona muitos ensinamentos cristãos, temos uma visão da vida familiar entre os dois personagens. Quando Trama é orientada pela Avó a seguir Musgoso, a princípio há uma resistência, mas logo não há remorso em acompanhá-lo. E como eles vão ficando mais belos ao longo dos anos.

Temos o banho na banheira que nos remete ao batismo. A morte como um rito de passagem para uma nova vida, portanto, não é precisa temê-la. A chave dourada que abre a porta para o Paraíso. É possível que todos tenham a chave, mas ainda não encontraram a fechadura. O caminho a ser percorrido por vezes se apresenta encantador e com muitas sombras no percurso, é bom já captarmos a ideia de que a vida ao nosso redor são sombras de algo superior, portanto devemos continuar determinados em nossa caminhada.

Leitura muito fácil e estimulante, li em duas horas, aproximadamente. Com certeza, recomendo a leitura para todos, não importa a idade. Até mesmo para pais que desejam ler para os seus filhos, seria uma leitura bastante prazerosa. É um conto de fadas, então pode-se achar múltiplos significados na história. É uma pena que os livros de George MacDonald raramente sejam traduzidos para o português. Ele, sem dúvidas, foi um grande escritor.