STOTT, John. Desafios da Liderança Cristã. Trad. Valéria Lamim Delgado Fernandes. Viçosa/MG: Ultimato, 2016. p 81.

John Robert Walmsley Stott, mais conhecido mais John Stott. Nasceu na cidade de Londres no dia 27 de Abril de 1921 e faleceu em Julho de 2011. Stott foi pastor e teólogo anglicano, conhecido como um dos grandes nomes mundiais. Serviu como Pastor na Igreja All Souls em Londres desde 1950. Estudou na Trinity College Cambrigde, onde se formou em primeiro lugar da classe tanto em francês como em teologia, e foi Doutor honorário por varias universidades, na Inglaterra, Estados Unidos e Canadá. Uma de suas maiores contribuições internacionais são seus livros. Stott começou sua carreira de escritor em 1954, publicando mais de 40 livros e centenas de artigos, além de outras contribuições à literatura cristã. Sua obra mais importante, Cristianismo Básico, vendeu mais de 2 milhões de cópias e já foi traduzida para mais de 60 línguas. Billy Grahanm o chamou de “o mais respeitável clérigo no mundo hoje”.

O livro Desafios da Liderança Cristã é o resultado de quatro palestras dadas por John Stott no ano de 1985 em Quito, Equador, por ocasião de uma conferência para a equipe da International Fellowship of Evangelical Students na América Latina. Nesta obra Stott compartilha 4 tópicos que considera importante a um jovem líder sob o título: “Problemas da liderança cristã”.

1. O Problema do Desânimo – como perseverar sob pressão.

Neste capítulo Stott reconhece que as pressões sobre os líderes cristãos são intensas e por vezes implacáveis e que sem dúvida tais pressões podem os levar ao desânimo. O desânimo é o maior risco ocupacional de crente, pois pode levar à perda da visão e do entusiasmo. Portanto, a pergunta que surge é: Como perseverar sob pressão? Para responder essa pergunta Stott usa textos de II Coríntios 3 e 4. O capítulo 3 revela a glória do ministério cristão, mas o capítulo 4 mostra os problemas do ministério. Por causa da glória do ministério e a despeito dos problemas, Paulo diz duas vezes no capítulo 4:1;16: ouk enkakoumen “nós nos recusamos a ficar desanimados” pois o ministério é pelo poder de Deus. Deus, intencionalmente, muitas vezes nos mantém na fraqueza para que Seu poder possa repousar em nós.

2. O Problema da Autodisciplina – como manter o frescor espiritual.

O segundo problema muito comum nos líderes cristãos não é tanto o desânimo, mas a estagnação. Em meio a todas as pressões que sofremos, como podemos manter o frescor espiritual? Neste capítulo o autor afirma categoricamente que a raiz da estagnação muitas vezes seja a falta de disciplina. Neste ponto, Stott irá sugerir três áreas de disciplina que o líder cristão precisa observar: (1) Disciplina do descanso e relaxamento; (2) Disciplina do tempo e (3) Disciplina da devoção.

3. O Problema dos Relacionamentos – como tratar as pessoas com respeito.

É difícil enfatizar suficientemente a importância dos relacionamentos. A vida na terra consiste de relacionamentos. É importante que aprendamos a cultivar bons relacionamentos e o autor nos diz que a base para um bom relacionamento é o respeito e todo ser humano tem seu valor intrínseco. O próximo princípio é tratar o próximo como se fosse o próprio Jesus, tomando por base o texto de Cl. 3:23 “como para o Senhor e não para homens”. O terceiro princípio é demonstrar respeito ao ouvir as pessoas. Fazer uma pessoa se calar ou pedir que ela se cale e se recusar a ouvi-la é tratá-la sem respeito, mas ouvi-la é expressão que reconhecemos seu valor.

4. O Problema da Juventude – como ser um líder quando se é relativamente jovem.

Stott reconhece a dificuldade de ser um líder quando se é relativamente jovem. Muitas vezes os mais velhos os tratam como se ainda fossem crianças. Consequentemente, os jovens muitas vezes ficam irritados e frustrados. O que devem fazer? Para responder essa pergunta, Stott usa o texto de I Tm. 4:11-5:2, extraindo do texto seis conselhos que o apóstolo Paulo deu a Timóteo, lembrando que Timóteo era jovem e por vezes ele teve que assumir o lugar de Paulo em algumas igrejas, um desafio e tanto para o jovem pastor Timóteo.

Desafio da Liderança Cristã, um pequeno e poderoso livro sobre liderança cristã. A leitura do livro é muito fácil e ao mesmo tempo profunda com muita sabedoria prática para os jovens líderes, como eu. Sem dúvida este livro é altamente pertinente, pois os líderes são constantemente desafiados em relação ao seu compromisso com Cristo, com as pessoas, com a disciplina pessoal e com vários outros pontos que fazem deles bons líderes.

Posso dizer, que aprendi muito com a leitura desse pequeno livro. John Stott nos traz muitas experiências pessoais de ministério que nos desafia a manter nosso foco no poder e na força de Deus, quando somos jovens confiamos muito em nossa própria força e naquilo que podemos fazer e por diversas vezes nos esquecemos que servimos ao Senhor pela força unicamente dEle.

Gostaria de terminar com um verso que me deparei durante a leitura do livro e que foi altamente oportuno para minha vida: “Pelo que, tendo este ministério, segundo a misericórdia que nos foi feita, não desfalecemos” (II Co. 4:1). Que o Senhor nos conceda a graça de liderar de forma eficaz na dependência do Seu poder. Não preciso dizer que recomendo a leitura do livro.